1280px-Flag of Brazil.svg     Bandeira-dos-Estados-Unidos-2000px  

Blog

A guerra de e-mails

      Dezenas ou até centenas de e-mails chegam todos os dias em nossas caixas de entrada.

      O e-mail corporativo tem sido uma das principais ferramentas de comunicação entre colaboradores, fornecedores e clientes. Outros tipos de comunicação, principalmente a verbal, tem ficado em segundo plano. O e-mail deveria ser a ferramenta de auxílio para aumentar a produtividade entre as pessoas.

Porém, a infinidade de e-mails que recebemos diariamente tem causado em algumas situações a diminuição dessa produtividade.

Leia mais...

Corrupção

 “Há vários fatores que promovem um ambiente de jogo políticos nas empresas, a falta de confiança em CEOs é um deles. Os colaboradores assumem uma atitude de cinismo quando escutam os CEOs falarem de visão e valores. Em uma atmosfera de desconfiança, os jogos encontram terreno fértil. A racionalização é mais ou menos assim: se não posso confiar em meu CEO (ou em qualquer outra pessoa proeminente na empresa), por que devo zelar por meu comportamento?

Se as pessoas lá em cima jogam, então as de baixo devem imitá-las.”

                                                                    Trecho tirado do livro, pagina 68

 

Leia mais...

Uma reflexão sobre os jogos políticos na política

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O livro Jogos Políticos nas Empresas nos traz uma reflexão sobre o que são os jogos políticos e porque as pessoas jogam.

“Está em nossa natureza humana essa inclinação pelo jogo – quando estamos em grupos, ou quando existe uma disputa por “prêmios” (promoções, simpatia do chefe, financiamento de um projeto, conquista de um contrato e assim por diante) que podemos ganhar ou perder...embora algumas culturas promovam mais os jogos políticos do que outras, praticamente todas as empresas tem uma ecologia de jogos – um padrão que se forma com o tempo e passa a dominar determinado ambiente.”

Jogos Políticos nas Empresas

 

Leia mais...

Conheça os jogos políticos que transformaram a empresa OGX de Eike Batista de um lucrativo negócio à ruína

Nos anos 2000, o empresário Eike Batista passou a exploara águas marinhas com muita ousadia. Criou a empresa OGX para a prospecção, exploração e a produção de petróleo. Eike acelerou cronogramas de exploração e levou ao limite a resistência do mercado de capitais. Em apenas quatro anos, alcançou a estratosfera e despencou de forma espetacular.

 

Leia mais...

Jogos Políticos no escândalo da LIBOR

barclays3_2277632b"Tal comportamento seria impossível se a diretoria do banco não tivesse feito vista grossa para a cultura  do pregão. Os padrões e a cultura do Barclays, e dos bancos em geral, estão com a credibilidade abalada”.

Relatório de 300 páginas do Treasury Select Committee sobre o escândalo Libor Barclays

A taxa LIBOR (London Interbank Offered Rate) forma a base de 550 trilhões de dólares (isto mesmo, trilhões) para financiar hipotecas, cartões de crédito e outras transações financeiras. Durante o verão europeu ficou claro que o Barclays estava sistematicamente “manipulando” essa taxa e por isso pagou uma multa de 453 milhões de dólares.

Leia mais...

Disfunção executiva e Jogos na Diretoria

egoistNo livro “Jogos Políticos”, nós alertamos que alguns líderes– Presidentes em particular – estão mais vulneráveis a jogar os jogos políticos por dois fatores:

1-    A ansiedade que sentem, resultado da grande responsabilidade e dos privilégios que recebem. Os jogos podem ser vistos pelo jogador como uma forma de reduzir, a curto prazo (somente), esta ansiedade.
2-    Eles podem possuir um ego voltado para o narcisismo, paranoia, arrogância quando sob estresse.

Como um exemplo trágico disso, vamos analisar o que aconteceu na Pfizer

Leia mais...

A gestão do “homem-rato”

micemanNa última semana, tive conversas com dois altos executivos de grandes corporações brasileiras da indústria alimentícia e da indústria de construção. Parte da conversa foi sobre o processo de gestão de desempenho das empresas e como ele afeta a cultura da organização.
Basicamente, o processo de gestão de desempenho é geralmente o seguinte: alguém (possivelmente o seu chefe) estabelece objetivos para você, você trabalha durante o ano para atingí-los, alguém o avalia e lhe dá uma nota que lhe traz consequências Leia mais...

Corporações e Psicopatas?

attention_manipulationUm artigo publicado recentemente (Clive Boody, As implicações da Psicopatia Corporativa na Empresa e na Sociedade: Um exame Inicial e Uma chamada à luta (tradução livre)) aborda uma perspectiva interessante para o Jogos Políticos, e uma área que tende a crescer nas corporações modernas. Uma definição para o modo de operar de um psicopata pode ser “manipulador, arrogante, impaciente, impulsivo, sedutor e sem nenhuma consciência”.

 

Leia mais...

Como liberar energia na sua empresa

como_liberar_energia_na_sua_empresa_1Em qualquer ambiente organizacional, as pessoas jogam jogos políticos. Saiba como evitá-los. Mauricio Goldstein e Phil Read

Em qualquer ambiente organizacional, as pessoas jogam jogos políticos. Está em nossa natureza jogar quando estamos em grupo, quando há estresse e ansiedade e quando existem “prêmios” a serem conquistados (promoções, favor do chefe, o financiamento para um projeto, um novo contrato e assim por diante).

Leia mais...

Fazer vista grossa

blind_eyes

Por Phil Read, Setembro 2011

Parece que a expressão “fazer vista grossa” teve origem num incidente com o Almirante Nelson, que ficou cego de um olho logo no início de sua carreira. Na Batalha de Copenhague ele recebeu um sinal (enviado através da tradicional sinalização por meio de bandeiras) dando ordens para que recuasse quando necessário. Nelson, não querendo bater em retirada, levantou o telescópio e o colocou no seu olho cego declarando que não conseguia enxergar o sinal. O significado popular dessa expressão passou a ser o processo de ignorar fatos ou atitudes inconvenientes, fingir que não se vê.

Nas organizações esse comportamento manifesta-se como um jogo.

Leia mais...

Jogos políticos em Supply Chain Management

Sem_ttulo

Omar é um executivo experiente com muita experiência em Supply chain. Ele foi presidente de consultoria e hoje é sócio da Vista Consulting. O Mauricio conversou brevemente com ele sobre sua experiência com Jogos Políticos em Supply Chain.

Mauricio: Eu queria que você me contasse um pouco, já que você tem muita experiência em Supply Chain, que tipo de jogos você já viu em Supply Chain especificamente, e de onde eles vêm.

Omar: A natureza do executivo da função Supply Chain é gerenciar objetivos conflitantes. O executivo de Supply Chain é o mediador na cadeia de valor da operação. Assim, ele está no meio de um diretor de produção, de um gerente industrial que precisa aumentar a sua produtividade ao máximo com um item, por exemplo. Ou seja, se ele produzir um item só e não parar a linha de produção, ele atingiu as metas de produtividade dele. 

Leia mais...

Um jogo de grandes resultados: lucros pessoais, perdas sociais

Um_jogo_de_grandes_resultadosPhilip Read

Em “Jogos Políticos nas Empresas”, destacamos que os jogos apresentam certas características, como: comportamento manipulador, consequências paradoxais, repetitividade, contagiosidade.  Todos os jogos têm resultados, e um claro sinal de que estão sendo jogados é que todos fingem que não estão jogando. Infelizmente, há um jogo muito desestabilizador sendo praticado em larga escala, o qual podemos chamar de “lucros pessoais, perdas sociais”.

Leia mais...

Jogos Políticos nas apresentações

Games_during_PPT_presentationsAbril 2011 – Philip Read

Os jogos florescem em ambientes onde os riscos são altos e há muita pressão. Funcionam como um mecanismo consciente ou instintivo, para “aguentar a barra” e “sobreviver”, sempre à custa de alguém. A longo prazo isso apenas onera a organização, porque os jogos levam a uma distorção nas informações, que terão como conseqüência tomadas de decisões precárias, além de minar a confiança necessária para manter relacionamentos sólidos que sustentem o desempenho da empresa.

Leia mais...

Jogos Políticos na Lehman Brothers

Philip Read

Lehman_BrothersComo a quebra da Lehman Brothers acabou de completar um ano, achei importante refletir sobre as causas de seu colapso. Muitas explicações foram apresentadas, mas um ângulo importante foi deixado de lado. A Lehman Brothers participava ativamente de quatro jogos, praticados regularmente por seus administradores nos últimos dois anos.

Leia mais...

O que fez diferença para que a Ford saísse da crise?

ford

Alan Mulally, CEO da Ford desde 2006, colocou a empresa de volta aos trilhos, com um lucro de 6,6 bilhões de dólares em 2010. Quando ele assumiu, as pessoas relutavam em falar de problemas durante as reuniões semanais. Os jogos eram praticados, e quando os problemas surgiam, muitas vezes já era tarde...

Leia mais...

Jogos políticos no cinema

Jogos_polticos_no_cinemaMauricio Goldstein

Jogos políticos fazem parte do nosso cotidiano, e muitas vezes nem nos apercebemos disto. Eles existem em nossas relações pessoais, em nossas transações comerciais, e até em nosso lazer.

Leia mais...

Porque o UBS perdeu USD 38,000,000,000?

Games_at_Work_-_UBSDe Philip Read

No dia 18 de abril de 2008 o UBS divulgou um “Relatório aos acionistas sobre as baixas contábeis do UBS”. Em apenas um ano, 2007, o UBS anunciou prejuízos de US$ 18,7 bilhões, relativos ao setor de imóveis residenciais dos Estados Unidos (no total, o valor chegaria a US 38 bilhões – o segundo maior prejuízo na história dos bancos). O relatório foi uma tentativa de apresentar aos acionistas uma reflexão sobre o que saiu errado. Em novembro de 2009 foi apresentada uma ação coletiva (Consolidated Securities Class Action Complaint), com 423 páginas, no tribunal distrital Sul de Nova York com a acusação de fraude contra altos funcionários do UBS.

Juntos, tais relatórios revelam vários jogos políticos que deram importante contribuição à ocorrência de tais perdas.

Leia mais...

Jogos Políticos nas Empresas: Grandes Demais para Quebrar

Grande_demais_para_quebrarPhil Read

O jogo institucional que permaneceu em maior evidência no último ano foi o jogo “grande demais para quebrar”. Neste jogo, uma instituição financeira de grande porte assume riscos excessivos.

Leia mais...

Games in the Matrix

Games_in_the_MatrixRicardo é, desde o início do ano, o novo presidente no Brasil da Consumer Corporation, uma empresa de bens de consumo. Quando contratado, seu chefe lhe disse que ele tinha uma missão importante: desburocratizar a empresa. Jorge, o CFO da organização no Brasil, não concorda que a empresa esteja burocrática e tem feito apenas simplificações insignificantes nos processos que ele gerencia, uma forma de "Participação de faz-de-conta". Obviamente, Jorge não conversa abertamente com Ricardo sobre sua opinião, e sempre tem uma boa desculpa para os processos que continuam burocráticos!

Leia mais...

Jogos no local de trabalho são um problema real? Eles não são simplesmente “naturais”?

Phil Readgames_natural

Jogar é natural, mas não é producente – jogos são como maus hábitos. Não são producentes porque distorcem ou corrompem processos comerciais críticos, tais como planejamento estratégico, orçamentário, tomada de decisões, gestão de desempenho, liderança de pessoas e gestão de mudanças.
Leia mais...

Compre online agora!

Submarino

Livraria Cultura

Elsevier

Saraiva

Jogos do Mês

Jogo L4 - Envolvimento de Faz de Conta

Para jogar o Envolvimento de Faz de Conta, o gerente realiza pesquisas de opinião, reúne grupos de discussão ou convoca reuniões de envolvimento para comunicar que "sua opinião conta", mas tudo isso tem como objetivo apenas fazer com que as pessoas se sintam participantes, em vez de fazê-las participar realmente. A verdadeira intenção é apenas evitar queixas e fazer com  que os gerentes possam mostrar para seus chefes que estão "fazendo a coisa certa" - engajando seu pessoal no processo de tomada de decisões. Esse mesmo jogo ocorre quando os líderes envolvem superficialmente os subordinados diretos, solicitando seus pontos de vista sobre a estratégia do departamento, mas confiando apenas na propria opinião pessoal. O cinismo acaba sendo a resposta final dos subordinados a esse tipo de jogo, e perde-se  o respeito pela liderança. E a coisa é talvez ainda pior quando o gerente necessita de que seu pessoal se mostre realmente comprometido e colaborativo em um grande projeto, e encontra dificuldade em assegurar seu envolvimento.

Elogios sobre Jogos Politicos

jacopoUma leitura fantástica não apenas para líderes e executivos seniores, mas também para os profissionais que querem crescer dentro de organizações complexas. Goldstein e Read dissecam a dinâmica interpessoal que afeta o desempenho da empresa, proporcionam uma estrutura conceitual para compreensão dos jogos praticados nas empresas, e oferecem ferramentas práticas para correção desses comportamentos e aumento da eficiência.

Jacopo Bracco vice-presidente executivo, DIRECTV Latin America

Leia mais...
Topo

Todos os direitos reservados © Jogos Politicos    -   Desenvolvido por Infoture